Félix Pagaimo Photography

Perdido pela fotografia, possuído pela beleza, sugado pela tua existência. Aqui está o que vejo por trás das lentes.

Para todos os interessados, aqui fica um longo vídeo sobre composição fotográfica. Porque existe sempre algo que desconheciamos. ;) 

SUGESTÃO: Sigam os canais YouTube da B&H e Adorama, mais que lojas de electrónica, são locais onde a assistência profissional e aprendizagem têm muita importância. É com alguma regularidade que colocam vídeos como este, em que se centram em aspectos técnicos específicos, mas também vídeos em que ensinam técnicas e etc. 

Usem um leitor RSS (Google Reader por exemplo) e subscrevam:
www.youtube.com/user/BHPhotoVideoProAudio/feed
www.youtube.com/user/adoramaTV

Caso sejam utilizadores iTunes também podem subscrever os podcasts (mesmo conteúdo do YouTube) destas lojas.

Enjoy! ;) 

Street Photography - More Than Just A Snapshot

Partilho mais um video. 50 minutos bem gastos com a perspectiva de Len Speier acerca da Street Photography. Um bom video para todos, os que do assunto quase nada sabem e para os que pensam que sabem tudo. ;)

Não deixem de visitar o site de Len, um artista no verdadeiro sentido da palavra.

(Source: youtube.com)

M**rdas que os fotógrafos dizem! :D

Flash Fantasma

O fotógrafo Radu Dumitrescu encontrava-se a fotografar dentro de uma casa abandonada em Bucareste (Roménia), quando adolescentes avistaram os flashes vindos de dentro da casa e decidiram investigar. Quando Radu noticiou que estavam a puxar dos seus telemóveis para documentar as “actividades paranormais”, decidiu pregar-lhes um susto fazendo-se passar por um fantasma.

A fotografia tem destas coisas. ;)

Surpresa Fotográfica

Os fotógrafos adolescentes Vanessa Hollander e Wilson Philippe embarcaram numa viagem de moto de dez dias pela Mongólia no verão passado, a sua missão era dar retratos em fotos instantâneas a Mongóis que nunca tinham visto uma foto antes. Para além disso fizeram e partilharam o vídeo acima que mostra algumas reacções dos seus sujeitos fotográficos.

Segundo Vanessa e Wilson:

cada pessoa fotografada realmente valorizou e protegeu a sua Polaroid (recesosas que quisessemos ficar com elas), e mal nos deixou ver o resultado depois de revelada! As crianças afastavam-se automaticamente para guardar aquela que era a primeira foto de si próprios. Foi uma grande e humilde experiência que nos mostrou o quanto uma fotografia pode significar para pessoas que nunca viram uma antes. Ainda que muita gente afirme que desejaria fugir desta bagunça tecnológica existente nos países desenvolvidos, algumas vezes tendemos a retirar a beleza de algumas dessas tecnologias, como a fotografia por exemplo, que tomamos como garantida.

A não que sejas um odiador de fotografia, este vídeo deverá criar um sorriso na tua cara e um sentimento interessante no teu coração! ;)

Texto retirado de PetaPixel, adaptado e traduzido por Félix Pagaimo.

Transform

Não sei quantos de vós dominam o Inglês mas partilho hoje convosco um vídeo diferente do habitual. Produzido por Zach Arias e dedicado a Scott Kelby, Transform é um vídeo bastante inteligente, impactante e inspirador.

Conheço os vlogs de Zach Arias à já algum tempo e desde que o vejo existem duas coisas que gosto bastante na sua forma de estar: a sua capacidade técnica e o seu carácter de pensador. E é nesta última que reside a essência do vídeo acima, pessoalmente nunca consegui distinguir a fotografia da minha introspecção pessoal, talvez seja por isso que me centro sobretudo na captura de pessoas, de hábitos, de atitudes.

Tal como Zach tenho momentos em que me apetece desistir de tudo, em que não tenho a certeza se vale a pena fazer tudo o que faço (fotograficamente falando). A resposta é sim. Ainda que seja unicamente pela minha evolução pessoal, pelo aprofundamento do meu ser existencialista. Sempre que tiverem dias cinzentos não se esqueçam que se não desistirem o tempo tudo resolve.

A glória é tanto mais tardia quanto mais duradoura há-de ser, porque todo o fruto delicioso amadurece lentamente. - Arthur Schopenhauer

Música criada com sons de máquinas fotográficas, original e muito bem produzido. A edição de vídeo também está muito atractiva. O que acham?

Uma Hora de Fotografia para a revista zOOm

O vídeo de “1 Hora de Fotografia”  com a revista zOOm. Desta vez sou eu o protagonista. Darei mais detalhes e informação sobre a experiência assim que a revista sair para as bancas em Agosto próximo. ;) Aqui fica uma espreitadela.

Histórias de Daniel Milnor


Uma das grandes formas de inspiração é ouvir as hitórias de pessoas que amam a fotografia, do seu trabalho, daquilo que aprenderam. Acima têm um vídeo em que o fotógrafo Daniel Milnor fala sobre o processo de contar histórias através da fotografia em filme. Depois de passar para “a via rápida” do universo digital, Milnor bateu numa parede e re-descobriu a sua paixão pela fotografia ao voltar a fotografar em filme usando as rangefinders da Leica.

Artigo retirado e traduzido de PetaPixel.

Battle At F-Stop Ridge

Olá a todos. Hoje tenho um vídeo muito engraçado para partilhar convosco.

É um anúncio produzido pela The Camera Store em imagina uma guerra em que se travam batalhas com câmeras fotográficas ao invés de armas. Destaque para a granada flash, lol.

Visto, retirado e traduzido de Petapixel.com

Bruce Gilden : HEAD ON

Já aqui falei de uma das séries fotográficas de Bruce Gilden mas sem me debruçar sobre si e o seu estilo fotográfico, este novo post surge com o mais recente trabalho do fotógrafo da MAGNUM Bruce Gilden. Bruce foi comissionado para o Format International Photo Festival deste ano em Derby, UK. Olivier Laurent foi para trás das cenas e filmou o lendário fotógrafo de rua enquanto trabalhava nas fotos para o festival e mostra agora o vídeo exclusivo sobre a realização da série Head On. Mas para além disso quero partilhar convosco algo mais sobre o famoso fotógrafo.


"Antes de ir para Derby falei com o meu bom amigo Martin Parr, que me disse que eu teria dificuldades em obter imagens. Quando fui estava bastante apreensivo, até porque não acontecia grande coisa pela cidade, não havia grande movimentação. Existem personagens lá - pessoas que gostaria de fotografar, mas não se pode pular à frente de todas elas (…) No entanto quando se trabalha em comissão é-se forçado a tirar fotos, porque é uma comissão. É obrigatório trabalhar. Tiram-se fotos que normalmente não tirariamos. Enfim, cheguei a casa e já com o filme revelado constato que afinal tinha conseguido imensas boas fotos."

Membro da MAGNUM Photos desde 1998, Bruce Gilden é mais conhecido pela sua abordagem intransigente, pelo modo in your face da fotografia de rua.

Nasceu em 1946 e tornou-se fotógrafo inspirado pelo filme Blow Up de Michelangelo Antonioni, que viu em 1968 emquanto estudava Sociologia em Penn State. Adquiriu uma câmera, matriculo-se em aulas nocturnas na School of Visual Arts em Nova Iorque, e em breve estaria nas ruas a fotografar. Ou melhor, na praia - o seu primeiro grande projecto foi criado em Coney Island, o famoso resort Nova Iorquino. “Não sei qual é a definição para a fotografia de rua, mas para mim foi onde tudo começou,” diz. “Reduzo-a (a fotografia de rua) a pessoas que caçam pessoas.”

Em 1981 já fotografava de facto as ruas de Nova Iorque e continua até hoje, também capturou o famoso festival Mardi Gras em Nova Orleães, em meados da década de 80 os rituais voodoo  em Port-au-Prince no Haiti, o pouco conhecido submundo dos Yakuza Japoneses e fans rurais de corridas de cavalos Irlandeses. Em 1998 juntou-se à agência MAGNUM e em 2002 tounou-se membro de pleno direito.

Ele, segundo a agência, “estabeleceu um estilo expressivo e teatral  que apresentou ao mundo como uma grande comédia de costumes”, mas este estilo não chegou completamente formado. Bruce começou por fotografar com a luz disponível por exemplo, mas mais tarde optou o uso do flash para “visualizar a ansiedade, o stress e a energia das ruas”. Está agora tão habituado a colocar o flash na mão esquerda e a câmera na mão direita que estes passaram a ser sentidos como extensões naturais do seu corpo.

Quando questionado sobre a sua experiência a fotografar em Inglaterra, Bruce Gilden diz:

Para Bruce um bom fotógrafo de rua tem que se conhecer a si mesmo. “Tens que saber quem és; saber o que sentes em relação ao mundo; saber no que estás interessado em fotografar,” diz ele. “Quando começei com a fotografia fiquei preso a uma frase de Robert Capa - ‘Se não for bom o suficiente, não estás perto o suficiente.’ Então quanto mais velho fico mais perto me chego. Quero rasgar, quase, os instestinos de dentro de alguém, porque depois sei ter conseguido algo. Esse sou eu. Além disso, quando era jovem, era um bom atleta , e então incorporei o meu atletismo no meu estilo - porque eu seguro o meu flash na mão, as pessoas movem-se e eu também, é necessária destreza para conseguir ter a luz onde se quer.”

Neste clip áudio Bruce sobre as qualidades de um bom fotógrafo de rua:

E bom, foi mais um post educional sobre um fotógrafo que admiro. Embora a sua técnica suscite alguma discussão em redor do abuso de privacidade, vejo neste fotógrafo uma grande inspiração. Curiosamente começei a fazer algo do género ainda antes de o conhecer e retiro agora mais algumas dicas que me farão jeito certamente, espero que tenham retirado o mesmo efeito na leitura e visualização da fotografia de Bruce Gildem. Um bem haja. ;)

Vivian Maier

O vídeo mostra um slideshow de algumas das épicas fotografias capturadas por Vivian Maier e ouvimos a sua história pela voz da fotógrafa Mary Ellen Mark e  John Maloof, o home que revelou o trabalho de Vivian ao mundo.

A febre em torno da descoberta das imagens de “street photography” de Vivian Maier quase nos faz esquecer que a autora morreu em 2009 e que faria 85 anos a 1 de Fevereiro. A sua primeira exposição individual finaliza este mês no Centro Cultural de Chicago. Vivian Maier foi a heroína celebrada destes dias. A descoberta casual, pelo jovem John Maloof, agora feito curador da colecção, de mais de cem mil fotografias e negativos num leilão em 2007 trouxe para a ribalta a fotógrafa que ninguém conhecia.

De repente um espólio feito de filmes por revelar, fotos impressas e milhares de negativos abria uma janela sobre um tempo que tantos outros fotografaram mas que esta ama de Nova Iorque parece ter registado de forma que torna a sua colecção um legado de valor inimaginável. É  fotografia de rua  no seu melhor e com o apelo de vir de uma figura que alguns sugerem ter semelhanças com Mary Poppins.

É uma história curiosa de fama após a morte que sucede pouco tempo depois de a autora ter-nos deixado. Efectivamente, Vivian Maier, que nasceu a 1 de Fevereiro de 1926 (faria agora 85 anos) morreu a 21 de Abril de 2009, na sequência de uma queda meses antes, de que nunca recuperou.

Ama de crianças, Vivian Maier coleccionou fotografia atrás de fotografia das suas viagens pelas ruas de Nova Iorque e outros locais que visitou. A máquina era a sua companhia nos dias de folga, recordam antigos patrões, no vídeo que traça alguma da história curiosa desta descoberta. Ainda muito está por dizer sobre este caso, mas um aspecto importante a reter aqui, e que me seduziu, é o valor que de repente simples fotografias do quotidiano acumuladas em caixas ganham, somente porque quem as fez tinha a visão para enquadrar mais do que um simples instantâneo.

As fotos de Vivian Maier são uma deliciosa viagem pelo tempo que nos faz apetecer procurar em todas as caixas perdidas em sótãos e baús escondidos em arrecadações as fotos porventura esquecidas de algum familiar. Não na mira de um possível tesouro monetário que parece estar subjacente a este caso, mas pelo simples prazer de confirmar que a fotografia continua a ser uma forma simples de documentarmos o mundo e redescobrirmos o que de melhor há em nós. Quantas Vivian Maier não existirão escondidas em pequenas colecções?

A obra de Vivian Maier tem a sua primeira exposição individual patente no Centro Cultural de Chicago entre Janeiro e Abril de 2011. Sabe bem pensar que Vivian Maier, onde quer que esteja, pode olhar cá para baixo e rir-se ao saber que as suas fotos estão hoje a atingir públicos que ela nunca pensou ter. Entretanto John Maloof criou um blog onde pode acompanhar a evolução desta aventura que lhe mudou a vida. E há mesmo que pretenda reunir fundos para fazer um documentário.

Resta esperar ter a sorte de um podia poder ver ao vivo esta exposição ou como última opções comprar um bom livro com as suas fotos.

Texto retirado de Foto Digital, fotos retiradas de vivianmaier.blogspot.com

Ovation TV | CloseUp: Photographers at work

Neste pequeno vídeo os fantásticos fotógrafos Albert Maysles, Andrew Moore, Sylvia Plachy (uma das minhas preferidas), Gregory Crewdson e Timothy Greenfield Sanders discutem e dão-nos o seu ponto de vista acerca do impacto que o seu trabalho tem nas suas vidas e na cultura no geral.

Vi este episódio de Close Up numa das minhas visitas a Nova Iorque, foi extremamente inspirador, hoje encontrei o programa e decidi partilhar aqui no blog, quem sabe faça com que também se sintam inspirados a fazer algumas fotos. O canal Ovation é no geral muito muito bom e interessante, quem me dera que o tivessemos em Portugal.

Bom fim de semana e boas fotos! (Aproveitem estas nuvens). ;)

(Source: youtube.com)